O Poder da Ação !

Começa por olhar à tua volta …..

Olha para a vida que tens hoje, a tua família, os bens que tens, o dinheiro que ganhas, para as oportunidades que te têm surgido ….

Deixa-me começar por partilhar uma história que conheci no ano de 2009 e que ficou para sempre na minha memória pela clareza das respostas que me deu para situações que estava a passar na altura.

“ A História da Vaca”

Um mestre decidiu certo dia ensinar um jovem como viver uma vida próspera e feliz. Decidiu que a primeira lição seria entender a razão pela qual tantas pessoas vivem presas a uma vida de conformismo e mediocridade.

Para que o jovem entende-se a lição teria de ver por si mesmo o que sucede quando permitimos que a mediocridade governe a nossa vida. Para dar esta lição o mestre decidiu que iriam procurar a família mais pobre que vivia naquela província. Depois de muito caminharem encontraram um casebre meio destruído que pertencia sem dúvida à família mais pobre de toda a província.

O dono, um pouco alarmado com a presença do mestre e do jovem, dirigiu-se a eles e questionou o que andavam a fazer por ali. Os viajantes disseram que estavam de viagem e devido à acumulação de cansaço precisavam de um sitio para passarem a noite. O homem apesar do pouco espaço, disponibilizou-se e ofereceu acolhimento.

Quando entraram na casinha, a surpresa ainda foi maior porque para além do mau estado exterior, no interior do casebre, com apenas 10 metros quadrados viviam oito pessoas. O pai, a mãe, quatro filhos e dois avós que se acomodavam independentemente do reduzido espaço.

As suas roupas eram velhas, remendadas e a sujidade dos seus corpos eram a clara evidência da miséria que ali reinava. Os seus olhares tristes e as suas cabeças baixas eram um sinal de que a pobreza se tinha apoderado dos seus corpos e também das suas almas.

Durante a estadia os visitantes observavam o espaço com o objetivo de descobrir algum objeto de valor, mas não encontraram nada.

No entanto, quando saíram da casa, para seu espanto, no meio daquele desleixo e penúria total a família tinha uma VACA.

O animal não estava em grande “forma”, mas a vida daquela família girava em torno dele. A vaca desempenhava um papel de grande proeminência na vida diária daquela família, apesar do escasso leite que produzia, que mal dava para sobreviverem. Ainda assim a Vaca era a única coisa que os separava da miséria total.   

De manhã bem cedo o mestre e o jovem puseram-se a caminho. Deitaram um último olhar a todo aquele cenário para levarem consigo uma imagem mental da desolação daquela família.

Antes de começarem a caminhar o mestre disse ao jovem: – Chegou a hora de aprenderes a lição que nos trouxe a esta paragem-

Lentamente, o mestre caminhou na direção ao local onde estava a vaca e sacou subitamente de uma adaga que trazia consigo e fez uma ferida mortal no animal. O jovem completamente incrédulo, indignado e angustiado  com a situação, perguntou ao mestre como tinha sido capaz de tal atitude, tinha deixado a família sem a sua única fonte de sustento.

O mestre sem se deixar afetar pela preocupação e angústia do jovem, propôs que seguissem caminho. O mestre, aparentemente indiferente perante a sorte que esperava aquela pobre família pela perda do animal, enquanto que o jovem angustiado perante a certeza de que suas ações seguramente tinham condenado aquela família à morte.

Durante os dias seguintes o jovem continuava com a nefasta ideia de que a família, sem a vaca, morreriam de fome. Que outra sorte podiam ter depois de perder a sua única fonte de sustento ?

E assim, aquela família teve de começar uma nova etapa da sua vida, enfrentando a possibilidade de uma miséria ainda maior.

Passado um ano o mestre sugeriu que regressassem novamente para verem o que tinha acontecido com aquela família. O jovem, de má vontade e apesar de todas as dúvidas que pesavam no seu coração, seguiu viagem com o mestre.

Depois de vários dias, chegaram à povoação, mas não conseguiam encontrar o casebre. O lugar parecia o mesmo, mas onde há um ano atrás estava um casebre estava agora uma casa grande, que aparentemente, tinha sido construída à pouco tempo. Pararam e observaram o espaço, para se assegurarem de que estavam no mesmo lugar.

A primeira coisa que passou pela cabeça do jovem foi que a família não teria conseguido sobreviver ao acontecimento da morte da vaca e assim teriam sido obrigados a abandonar aquele local e uma nova família se tinha lá instalado. Passava o pior pela cabeça do jovem e a incerteza de se aproximar da casa ou continuar viagem e evitar assim a confirmação das suas piores suspeitas.

Qual não foi a surpresa quando viu sair da casa o mesmo homem que lhes tinha dado alojamento à um ano atrás ! No início, o jovem pareceu não o reconhecer, mas tratava-se da mesma pessoa, apesar do seu aspeto totalmente diferente. O jovem não acreditava no que estava a ver e rapidamente foi saudá-lo e perguntar-lhe o que tinha acontecido durante o último ano.

Completamente ignorante do papel que o jovem e o mestre tinham tido em relação à vaca, o homem convidou-os a entrar na sua casa, onde se dispôs a relatar os pormenores de uma história que tinha mudado a sua vida para sempre.

Contou-lhes que, por acaso no mesmo dia da partida deles, algum bandido, tinha degolado o animal e tinham ficado sem a sua única fonte de sustento, perante tal situação trágica percebeu que teriam de fazer qualquer coisa, porque as suas vidas corriam risco e precisavam de arranjar outras fontes de alimento para os filhos. Decidiram então limpar o casebre e encontraram algumas sementes e plantaram hortaliças e legumes para se alimentarem.

Passado algum tempo, perceberam que a horta improvisada produzia muito mais do que aquilo que precisavam para o próprio sustento e decidiram vender aos vizinhos alguns vegetais que tinham a mais e , com esse lucro, compraram mais sementes. Pouco depois viram que as sobras da colheita davam para vender no mercado. “De repente ! – exclamou o homem – pela primeira vez nas nossas vidas tivemos dinheiro para comprar algumas roupas e arranjar a nossa humilde casa. Assim, a pouco e pouco este ano trouxe-nos uma vida nova. É como se a trágica morte da nossa vaca tivesse aberto as portas de uma nova vida.”

Finalmente o jovem aprendeu a lição que o seu sábio mestre lhe queria ensinar . A morte do animal não tinha sido o fim daquela família, bem pelo contrário, foi o início de novas e melhores oportunidades.

Achas que se aquela família tivesse a vaca, teria conseguido tudo isto ? Claro que não, a vaca além de ser a sua única fonte fonte de sustento, era o que os mantinha presos a uma vida de conformismo e mediocridade.

Quando já não puderam continuar com a falsa segurança, tomaram a decisão de procurar algo mais, para verem além das suas circunstâncias presentes e passaram à AÇÃO.

O conformismo apodera-se da tua vida e converte-se numa corrente que não te permite procurar algo melhor. Sabes que não és feliz com o que possuis, mas também não és totalmente miserável. Estás frustrado com a vida que tens, mas não o suficiente para a mudar.

Quando tens um trabalho do qual não gostas, com o qual não consegues satisfazer as tuas necessidades básicas económicas e que não te traz qualquer prazer é fácil tomar a decisão de o deixar e de procurar um melhor. Não obstante, quando tens um trabalho que não gostas, mas que satisfaz as tuas necessidades básicas e te oferece uma certa comodidade, ainda que não seja a qualidade de vida que verdadeiramente desejas para ti e para a tua família, é fácil conformares-te com o pouco que tens.

Esta atitude nunca te vai permitir progredir. A menos que te desfaças dela não poderás experimentar um mundo diferente daquele em que vives. Estás condenado a ser vitima destas limitações que tu criaste. É como se tivesses decidido fechar os olhos e conformar-te com a tua sorte.

 

Todos temos VACAS na nossa vida! Carregamos crenças, desculpas e justificações que nos mantêm presos a uma vida de mediocridade. Muitos de nós carregamos pretextos e desculpas nas quais nem nós acreditamos, que nos dão falsa sensação de segurança, quando à nossa frente se encontra um mundo de oportunidades por descobrir, oportunidades essas que só poderemos apreciar de decidirmos livrar-nos das nossas limitações.

 

Esta história é o relato de como nos podemos livrar dos hábitos, desculpas e crenças que nos mantêm presos à mediocridade.

Muitas das vezes só fazemos esta análise pela dor da perda, porque fomos colocados perante um desafio que nos “obriga” a tomar decisões que nos levam à AÇÃO.

Perante uma situação desafiante acordamos para as possibilidades/oportunidades que nos rodeavam e que nós não víamos.

Olha para ti e pergunta-te o que é preciso acontecer para passares á ação, para acordares?

Decide Hoje ! Não esperes que algum desafio ou algum dissabor da vida te aconteça para que passes à AÇÃO !

Qual é a decisão que tomas agora que vai mudar a vida que tens e te levar a ter a vida que desejas ?

Quais são as vacas da tua vida ?

 

O Poder da Decisão !

Decisão é um hábito.

Todos os dias tomamos decisões, mesmo que muitas das vezes seja de uma forma inconsciente, no entanto as mais válidas e que nos levam na direção que queremos são as mais dificeis, exijem que primeiro penses, vejas onde estás e definas para onde queres ir.

Quando analisas a tua situação atual, estás satisfeito ?

Tens o trabalho que sempre desejaste , ganhas o dinheiro que sempre quiseste , tens a vida com que sempre sonhaste ?

No turbilhão que é o nosso dia a dia, temos tempo para nos lamentar da vida que temos, mas não temos tempo para pensar e decidir a vida que queremos e merecemos ter.

A verdade é que muitas vezes não temos uma direção/ Visão a tomar e andamos ao sabor do vento.

Tens de ter uma Visão muito bem definida de como gostarias que fossa a tua vida e um desejo ardente de a viveres como se já estivesse realizada.

Depois disso, toma uma DECISÃO !

Quando tomamos uma decisão para alcançar a nossa Visão, sentimos um desejo ardente de a alcançar e como que por magia …. conheces pessoas que pensavas que não existiam, começam-te a chegar oportunidades que vais achar surreais, só ainda não te tinhas permitido vê-las e usufruir delas.

Não te preocupes com os recursos ou com a forma como vais realizar a tua Visão, o universo guia-te e tu só tens de estar atento e realizar.

O próximo passo é a AÇÃO!

 

 

Como ser Dono da Sua Própria Vida!

Conseguires ser “Dono da Própria Vida” depende de três fatores: Tempo, Saúde e Dinheiro.

Após vários anos de estudo cheguei à conclusão que uma pessoa é livre e “Dono da Própria Vida” quando tem Tempo, Saúde e Dinheiro !
 
Resumidamente e não tendo em conta situações específicas, a Saúde depende da tua forma de estar, o teu estilo de vida e claro a alimentação.
O Tempo, está relacionado com a tua qualidade de vida, precisas de ter tempo para observar a beleza do mundo, para apoiares os teus filhos, cuidares de ti, da tua família e tudo o que te rodeia e consideres importante.
O Dinheiro é importante ? Claro que sim! É com o dinheiro que vais materializar o que desejas, dar uma melhor qualidade de vida à tua família, viajar, comprar uma casa, um carro, férias, etc etc… o teu sonho !
É esse sonho que te vai mover!
 
Podemos realizar só um destes fatores e ser feliz ? Podemos, a verdade é que isso não nos permite sermos livres de forma plena !
 
Pensa comigo….
1º cenário: tens saúde, tens tempo (por exemplo devido a uma situação de desemprego) , em contrapartida não tens dinheiro para usufruir em pleno das outras duas. 

2º cenário: tens saúde, tens dinheiro (estás a trabalhar por conta de outrém ou tens a tua própria empresa e exije de ti, venderes o teu tempo por dinheiro), nesta situação tens saúde, dinheiro e em contrapartida não tens tempo para usufruir das coisas que o dinheiro te pode proporcionar.

3º cenário: não tens saúde, não tens dinheiro (possivelmente em consequência do teu estado de saúde) e tens tempo ( a saúde assim te obriga), mas não és livre, sem dinheiro não tens tempo para recorrer aos melhores cuidados médicos e cuidares de ti da melhor maneira possível….
 
Em resumo: Tempo, Saúde e Dinheiro são os três fatores que te vão proporcionar o teu estado de Liberdade Plena!
 
Faz sentido para ti ?